[interlegis] RES: infeliz pronunciamento do senador

Luiz Carlos Santana de Freitas luizcar em interlegis.leg.br
Quinta Dezembro 22 09:22:50 BRST 2011


Gosto da atuação parlamentar do senador Demóstenes, uma voz às vezes solitária na atual oposição. Mas parece um caso clássico de "ato falho". Veja como o pessoal da Wikipedia define: 


Ato falho


Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Acto falhado (português europeu <http://pt.wikipedia.org/wiki/Portugu%C3%AAs_europeu> ) ou Ato falho (português brasileiro <http://pt.wikipedia.org/wiki/Portugu%C3%AAs_brasileiro> ), lapso freudiano ou parapráxis, ou ainda a expressão latina lapsus linguae, é um erro na fala <http://pt.wikipedia.org/wiki/Fala> , na memória <http://pt.wikipedia.org/wiki/Mem%C3%B3ria>  ou numa acção física que seria supostamente causada pelo inconsciente <http://pt.wikipedia.org/wiki/Inconsciente> .

Alguns erros, como o marido que acidentalmente troca o nome <http://pt.wikipedia.org/wiki/Nome>  da própria esposa pelo da amante <http://pt.wikipedia.org/wiki/Amante> , parecem representar casos relativamente claros de actos falhos ou deslizes freudianos <http://pt.wikipedia.org/wiki/Sigmund_Freud> . Noutros casos, erros triviais ou bizarros na aparência podem encerrar um significado mais profundo se analisados.

Os actos falhos não são limitados ao discurso oral ou a desejos sexuais <http://pt.wikipedia.org/wiki/Acto_sexual>  reprimidos, podendo afectar até mesmo à cognição, que se vê prejudicada por fixações do inconsciente.

Sigmund Freud <http://pt.wikipedia.org/wiki/Sigmund_Freud>  descreveu o fenômeno denominando-o em língua alemã <http://pt.wikipedia.org/wiki/L%C3%ADngua_alem%C3%A3>  Fehlleistung (em português <http://pt.wikipedia.org/wiki/L%C3%ADngua_portuguesa>  a tradução é acto falhado (português europeu <http://pt.wikipedia.org/wiki/Portugu%C3%AAs_europeu> ) ou ato falho (português brasileiro <http://pt.wikipedia.org/wiki/Portugu%C3%AAs_brasileiro> ); em inglês <http://pt.wikipedia.org/wiki/L%C3%ADngua_inglesa>  usa-se a expressão Freudian slip) em seu livro de 1901 <http://pt.wikipedia.org/wiki/1901>  chamado Sobre a psicopatologia do cotidiano.

Inconscientemente, isto é, através do ato falho o desejo do inconsciente é realizado. Isto explica o fato de que nenhum gesto, pensamento ou palavra acontece acidentalmente. Os atos falhos são diferentes do erro comum.

Freud <http://pt.wikipedia.org/wiki/Freud>  evidenciou que o ato falho era como sintoma, constituição de compromisso entre o intuito consciente da pessoa e o reprimido.

Ato falho abrange também erros de leitura, audição, distração de palavras. São circunstâncias acidentais que não tem valor e não possuem conseqüência prática.

Os atos falhos são compreendidos por muitas pessoas como falta de atenção, cansaço, eventualidade, porém pode ser interpretado como uma manifestação reprimida.

 

 

 

De: interlegis-bounces em listas.interlegis.gov.br [mailto:interlegis-bounces em listas.interlegis.gov.br] Em nome de marcos antônio calil
Enviada em: quinta-feira, 22 de dezembro de 2011 00:11
Para: Comunidade do Poder Legislativo; Grupo Interlegis de Comunicação; Grupo Interlegis de Tecnologia; Grupo Interlegis de Assessoria Legislativa
Assunto: [interlegis] infeliz pronunciamento do senador

 

Ao Senhor Senador da República  Demóstenes Torres,

Não sei bem quais são as diferenças entre o Senado Federal e uma Câmara Municipal, pois assim como o senhor sempre foi eleito senador, eu,  somente conheci a longo do tempo,  o mandato de vereador, mas o pouco que sei a respeito desse universo que para o senhor é o Olimpo, para mim, resguardando as distancias,  são por demais assemelhadas.

 Foi seu pronunciamento no dia de hoje: 21 de dezembro de 2011, na Comissão de Constituição e Justiça,  no instante em que o Nobre Tribuno revoltado e com inteira razão, criticava as manobras feitas para que a PEC garantindo os poderes da Comissão Nacional de Justiça não fosse votada.  O senhor disse: (li no portal IG) 

- "Isso é o Brasil. O Eunício Oliveira (PMDB-CE, presidente da CCJ) fez um compromisso e não cumpriu sua palavra. Soube que ministros do STF contra o CNJ ligaram. O Aécio, Renan e Dornelles pressionaram o Eunício, e ele retroagiu. Vivemos um dia de Câmara de vereadores."  

Senador, essa infeliz expressão - Vivemos um dia de Câmara de vereadores, me soou como bullying  (acusação injusta) contra as mais de cinco mim Câmaras Municipais de nosso Brasil e aos milhares de bons e honestos e bravos vereadores  

Senador o senhor errou, agrediu sem justificativas comparando o que senadores e juízes de interesses escusos fazem em suas praticas diárias tirando a responsabilidade  do Plenário do Senado e levando a culpa para as Câmaras Municipais.  Vivemos sim, dias de angustias e preocupações com o cenário político onde os exemplos vindos do Congresso Nacional nem sempre são exemplos republicanos. 
Pelo que ouço, sei que tens capacidade  para reconhecer a infelicidade da comparação e pedir desculpas as Câmaras e aos vereadores.

Senador, errar é humano, permanecer no erro não é coisa de goianos.

Um abraço.

Marcos Antônio Calil

Principado de Inhumas -  Go

 ( publicado no blog www.marcoscalil.blogspot.com <http://www.marcoscalil.blogspot.com/>  )

-------------- Próxima Parte ----------
Um anexo em HTML foi limpo...
URL: http://listas.interlegis.gov.br/mailman/private/interlegis/attachments/20111222/d556b101/attachment.htm 


Mais detalhes sobre a lista de discussão Interlegis