[interlegis] Por um Plano (minimamente estruturado) de Comunicação para o Interlegis

sergiodamiati sergiodamiati em camaracampinas.sp.gov.br
Quarta Abril 28 18:33:15 BRT 2010


Amigo Hélio, acho que faltou um cenário, infelizmente.

Cenário 5 - o seu documento sequer foi lido.


[]s

Sérgio Damiati - cps

Em 28-04-2010 17:44, Hélio Teixeira escreveu:
> Os anexos seguem em outra mensagem. Devido ao tamanho (acima do
> permitido), eles foram bloqueados automaticamente pelo sistema.
>
> Já solicitei a liberação ao moderador. Assim que a liberação for feita
> todos poderão ter acesso a eles.
>
> Grande abraço
>
> Hélio Teixeira
>
>
>
> Em 28 de abril de 2010 17:41, Hélio Teixeira
> <heliolteixeira em gmail.com>  escreveu:
>    
>> Pessoal
>>
>> Há exatos 60 dias e algumas horas, publiquei na lista Gicom um
>> documento (que envio em anexo) com algumas sugestões que, ao meu ver,
>> poderiam servir para dar início a uma saudável discussão que levasse a
>> elaboração de um Plano de Comunicação para o Programa Interlegis.
>>
>> Para a minha surpresa, a única resposta que recebi dos responsáveis
>> pela comunicação do Programa, foi o SILÊNCIO. Um silêncio tão
>> deselegante que me fez refletir bastante nos últimos dias.
>>
>> Para vocês terem uma ideia do quanto essa atitude foi deselegante,
>> imaginem a seguinte situação: você compra um presente para alguém que
>> você considera muito, embrulha em papel de presente e entrega o
>> presente. Para a sua surpresa, a pessoa (por algum motivo qualquer)
>> recebe o presente com aquele sorriso amarelo (de quem não gostou) e
>> sequer se dá o trabalho de abrir o pacote para ver o que há dentro...
>> É ou não é o cúmulo da deselegância?
>>
>> Pois bem, deixa pra lá. Afinal, meu principal (e mais importante!)
>> compromisso é com a nossa Comunidade. Portanto, que me perdoem os
>> colegas da comunicação do Interlegis, mas eu não poderia deixar de
>> comentar, ou melhor, de pelo menos tentar adivinhar o que poderia
>> "justificar" tamanho SILÊNCIO.
>>
>> Como não tenho poderes paranormais, não posso afirmar com certeza o
>> real motivo do tal SILÊNCIO. Por isso,só me resta tentar imaginar
>> alguns cenários que possam de alguma maneira explicar esta atitude.
>> Vamos a eles:
>>
>> CENÁRIO 1 - o pior de todos, para mim, é claro! rsrsrs - "NÃO GOSTEI
>> ESSE DOCUMENTO... ELE É UM LIXO" - Vamos imaginar que foi esse o
>> sentimento dos colegas da comunicação do Interlegis ao lerem o
>> documento enviado por mim (há 60 dias e algumas horas!) . Se foi esse
>> o sentimento, o SILÊNCIO foi seguido por, no mínimo, dois pecados:
>>
>> O primeiro, seria o da OMISSÃO. Por que não dizer ou externar (em
>> privado ou de público, como quisessem...) as suas divergências com
>> relação às ideias contidas no documento? Afinal, o próprio título do
>> documento deixa claro o seu caráter de PROPOSTA. A minha intenção
>> sempre foi iniciar o debate, e não apresentar todas as respostas.
>> Repito, foi justamente por isso que o documento foi apresentado como
>> uma PROPOSTA.
>>
>> O segundo pecado é consequência do primeiro, ao se omitir,
>> DESPERDIÇOU-SE, mais uma vez, a oportunidade de iniciarmos o
>> necessário debate para a elaboração de um Plano (minimamente
>> estruturado) de Comunicação para o Interlegis.
>>
>> CENÁRIO 2 - "ESSE NÃO É O MOMENTO PARA DISCUTIR ISSO, VAMOS DEIXAR
>> ESSA DISCUSSÃO PARA DEPOIS" - Se foi essa a reação do nobres colegas
>> da comunicação do Interlegis quando leram o documento enviado por mim
>> (há 60 dias e algumas horas!), o SILÊNCIO foi seguido por, pelo menos,
>> mais dois pecados:
>>
>> O primeiro seria o pecado da INCONSEQUÊNCIA. Explico: estamos em um
>> processo de retomada dos trabalhos, um momento importantíssimo marcado
>> pelo início do Interlegis II. Onde supostamente deveríamos corrigir as
>> falhas gritantes já diagnosticadas durante a Fase 1. E, mesmo após
>> todas as críticas, alertas e cobranças da Comunidade continuamos sem
>> um plano de comunicação minimamente articulado. E, pior, sequer nos
>> dispomos a construir um... Me perdoem, mas isso para mim é o cúmulo da
>> INCONSEQUÊNCIA!!!!
>>
>> Neste momento onde estão sendo realizados os diagnósticos das casas
>> legislativas, já deveríamos ter um plano comunicação minimamente
>> estruturado, onde já estivesse contempladas questões básicas e
>> fundamentais para o sucesso do próprio Interlegis II. Só para ilustar,
>> vou citar algumas dessas questões: Já deveríamos ter devidamente
>> mapeadas todas as interfaces de contato entre o Programa e a
>> Comunidade e, o principal, já deveríamos ter uma ação comunicação
>> específica para cada uma delas. Levando em consideração o público, a
>> mensagem e o meio de contato.
>>
>> Outro ponto que já deveria ter sido minimamente equacionado nessa
>> altura do campeonato é a questão do fortalecimento e do crescimento
>> das nossas comunidades. Como (e por quais meios) as nossas comunidades
>> serão divulgadas? Como as nossas comunidades estão sendo divulgadas em
>> cada uma das interfaces de contato? Quais metas de crescimento foram
>> estipuladas? Quais métricas vamos utilizar na avaliação? Quais
>> estruturas (rotinas, processos e ferramentas) vamos precisar para dar
>> suporte e este crescimento? Enfim, existem inúmeras questões que já
>> deveriam ter sido discutidas ANTES MESMO do início desta segunda etapa
>> do Programa.
>>
>> O segundo pecado seira imperdoável e também seria consequência do
>> primeiro, estou me referindo ao pecado do DESLEIXO.
>>
>> Amigos, se tem alguém que sabe (até por dever do ofício) a real
>> importância de um plano de comunicação dentro de uma estratégia de
>> negócio (público ou privado) esse alguém é o profissional de
>> comunicação. Ignorar isso é duro de aceitar!!!
>>
>> Até que se pode entender que alguém que não seja um militante da área
>> não consiga dimensionar essa importância, Mas quando essa visão
>> "desinteressada" parte de alguém que conhece o ofício... me perdoem,
>> mas é uma atitude IMPERDOÁVEL.
>>
>> CENÁRIO 3 - "VAMOS DISCUTIR INTERNAMENTE E ELABORAR UM PLANO DE
>> COMUNICAÇÃO SEM A COMUNIDADE" - Se essa é a intenção dos nobres
>> colegas da Comunicação do Interlegis. Aí, mais uma vez me perdoem, mas
>> você não estariam sendo inteligentes se estivessem pensando dessa
>> forma.
>>
>> A primeira razão que desqualifica esse pensamento é a própria História
>> do Interlegis. Desde quando eu conheço o Interlegis eu ouço falar no
>> desejo de elaboração de uma Política de Comunicação para o Programa.
>> Mesmo depois de quase duas décadas de existência do Programa,
>> continuamos sem o tão sonhado Plano de Comunicação.
>>
>> Para piorar a situação e agravar o (possível) diagnóstico de "pouca
>> inteligência". Eu pergunto: Por que não utilizar o conhecimento da
>> Comunidade? Por que não ouvir aqueles que conhecem (muito muito muito
>> mais que vocês!) a realidade de uma Casa Legislativa? Por que não
>> envolver os clientes na elaboração dos produtos que supostamente estão
>> sendo desenvolvidos para atenderem as necessidades deles mesmos?
>>
>> O mundo da comunicação está seguindo nessa direção. As estratégias de
>> comunicação são cada vez mais construídas em ambientes colaborativos.
>> Os clientes devem estar no centro da estratégia e justamente por isso
>> devem ocupar um papel de destaque em sua elaboração.
>>
>> O CENÁRIO 4 seria o pior, entre todos os outros, para todos nós
>> membros da Comunidade Interlegis. - "PARA QUE DISCUTIR UM PLANO DE
>> COMUNICAÇÃO? ISSO NÃO É NECESSÁRIO!" Se foi esse o pensamento daqueles
>> que comandam a Comunicação do Interlegis após a leitura do documento
>> enviado por mim (há 60 dias e algumas horas!), meus senhores, APERTEM
>> OS CINTOS, POIS ESTAMOS EM MAUS LENÇÓIS!!!!
>>
>> Só para concluir, quero fazer uma ressalva: NÃO ESQUEÇAM QUE ESTAMOS
>> NO TERRENO DAS SUPOSIÇÕES. Não estou afirmando que qualquer um dos
>> cenários imaginamos acima condiz fielmente com a realidade. Muito pelo
>> contrário.
>>
>> Tenho quase certeza (e TORÇO até!) que as minhas suposições são
>> simplesmente MERAS E INFUNDAS SUPOSIÇÕES.
>>
>> Porém, antes de me acusarem de ser "muito criativo"... entendam o meu
>> lado, e vejam que o maior causador de tudo isso foi o miserável do
>> SILÊNCIO...
>>
>> Um grande abraço a todos,
>>
>> --
>> Hélio Teixeira
>> http://novodialogo.com.br/
>> http://ComunicacaoChapaBranca.com.br
>> Twitter: http://twitter.com/helioteixeira ou
>> http://twitter.com/chapabranca
>>
>>      
>
>
>    



Mais detalhes sobre a lista de discussão Interlegis