[gicom] Uso de Redes Sociais

Valéria Cristina Castanho de Almeida CASTANHO em senado.leg.br
Quarta Setembro 23 22:12:34 BRT 2015


Oi Juliano,

 como a Jonária explicou, vai depender da mídia que você pretende usar. Cada público exige uma rede diferente, que depende também do assunto. O facebook é um dos canais mais usados no Brasil. O número de seguidores do facebook do Senado mais que dobrou do início do ano até agosto. O twitter também é muito usado, mas para comunicações curtas, porém tambem tem muitos seguidores. Um bom site também é o caminho certo para uma boa comunicação e com bastante transparência. Postei no grupo uma matéria sobre o novo site do Senado há algumas semanas. Veja essa outra matéria abaixo sobre o facebook e outras mídias do Senado. Uma boa dica de leitura é o livro "Cidades digitais" de André Lemos, sobre sites governamentais. Tem na internet de graça.

Se você quiser, consigo para você o contato da coordenadora de mídias digitais do Senado, a Sílvia Gomide. Ela pode também te dar boas dicas.

Valéria Castanho



Número de seguidores do Senado no Facebook mais do que dobrou em oito meses
Quantidade de curtidas na rede social passou de 277 mil para 584 mil



28/08/2015, 09h25

A atuação do Senado nas mídias sociais está cada vez mais forte. No mesmo ritmo, seguem a interação com a população e a transparência nas ações da Casa. E os números comprovam isso: de janeiro até o dia 24 de agosto, a quantidade de seguidores na página do Senado no Facebook<https://www.facebook.com/SenadoFederal/photos/a.176982505650946.49197.150311598318037/1163772740305246/?type=1> mais do que dobrou, passando de 277 mil para 584 mil. Na página, são disponibilizadas informações sobre projetos, debates, votações e atividades institucionais do Parlamento.

[https://intranet.senado.gov.br/resolveuid/3c681dee-769c-4364-831d-a278937f559b]

Os bons resultados não vieram por acaso, explica a coordenadora do Núcleo de Mídias Sociais, Silvia Gomide Gurgel, que atribuiu o bom desempenho à experiência da equipe, formada por profissionais da área de comunicação.

— Ficou muito claro que a formação da equipe ajudou bastante. Trouxemos pessoas com experiência na área; e conseguimos estruturar e dividir melhor o trabalho. O resultado disso apareceu nas estatísticas — afirmou, ressaltando que, a partir da formação do novo grupo, as mídias sociais tornaram-se um núcleo, ligado diretamente à Secretaria de Comunicação Social (Secom), e passou a atender todos setores da Casa.

Outro aspecto importante, indica Silvia, é o engajamento dos internautas, que permite mensurar o nível de interação com o público, por meio da quantidade de compartilhamentos, de curtidas e de comentários.

— Embora o número de seguidores seja mais usado como referência, o engajamento é ainda mais importante porque ele mede a interação — disse.

Para ilustrar a importância do engajamento, Silvia citou que, em novembro de 2014, a página alcançou o primeiro lugar em repercussão de todas as páginas de governo na rede, incluindo perfis de relevância internacional, como Nasa e a Casa Branca, além de perfis brasileiros com grande número de seguidores. Na ocasião, 756 mil pessoas estavam envolvidas nas publicações da página, seja curtindo e compartilhando os posts ou debatendo assuntos relacionados à vida política do brasileiro.

— Esse engajamento é mudado ao longo do dia. Outro ponto importante é o alcance. Por exemplo, se temos 570 mil seguidores, o nosso alcance diário é de 2 milhões. Ou seja, as publicações compartilhadas, comentadas e curtidas costumam chegar a 2 milhões de usuários — ressaltou.

Mais lidos

De acordo com Silvia, as postagens que geram mais interesse são as que tratam de assuntos que interferem diretamente na vida das pessoas. Desses, segundo ela, os mais lidos são os relacionados à educação. Prova disso é que, recentemente, uma postagem sobre a aprovação, na Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE), do Projeto de Lei do Senado (PLS) 189/2012<http://www.senado.leg.br/atividade/materia/detalhes.asp?p_cod_mate=105955> gerou repercussão recorde. A proposta amplia as punições para pais que não comparecerem às reuniões nas escolas dos filhos.

Publicada em 19 de agosto, a postagem foi compartilhada mais de 126 mil vezes, teve quase 650 mil curtidas e gerou mais de 130 mil comentários. Dados da própria rede social mostram que o post foi exibido para mais de 19 milhões de pessoas.

Silvia explica ainda que uma das atribuições do núcleo é a de adaptar o conteúdo à linguagem usada nas redes sociais, tarefa que exige cautela e bom senso por parte dos profissionais.

— A gente utiliza uma linguagem mais informal, mas sem cair no ridículo. Estamos sempre tentando achar o tom certo, o que costuma ser bem difícil. Mas, pelos números, temos conseguido. É um sinal de que estamos no caminho certo — declarou.

Outras redes sociais

Hoje, as principais redes sociais em que o Senado atua são o Facebook e o Twitter, cuja conta possui mais de 200 mil seguidores. Silvia diz que, devido à popularidade do Facebook, é ali que estão concentrados os melhores resultados.

— O Twitter tem um número que cresce, porém, é mais estável e constante. Contudo, é uma rede muito importante e damos muito valor a ela — pontuou, destacando que a expectativa é de continuar aumentando o número de seguidores nas mídias sociais.

Ação



No último dia 12 de agosto, a equipe do núcleo da Secom fez a primeira ação conjunta do Senado nas mídias sociais, em parceria com outros órgãos de governo. A ação em torno do post “E agora, quem poderá me defender?” alcançou, aproximadamente, 3 milhões de pessoas. Mais de 79 mil usuários interagiram com o post, sendo 49 mil curtindo, 27 mil compartilhando e 2,6 mil comentando.

O primeiro passo para viabilizar essa ação foi a produção de uma reportagem explicando aos cidadãos quais órgãos do governo devem ser procurados diante de vários casos de violações de direitos civis. O gancho de ligação com o Senado é o papel do Congresso na criação das leis que garantem esses direitos. Em seguida, a equipe contatou colegas que administram perfis nas redes sociais de outros órgãos. Assim, vários aceitaram participar da campanha, compartilhando a imagem em seus próprios perfis. Assessores de senadores também foram convidados a participar.

Entre os principais parceiros que compartilharam a ação, estão: Senador Romário (2,1 milhões de seguidores), Ministério da Justiça - MJ (1,5 milhão), Conselho Nacional de Justiça - CNJ (1,26 milhão), Conselho Superior da Justiça do Trabalho - CSJT (220 mil), Conselho Nacional do Ministério Público - CNMP (118 mil), Ministério Público Federal - MPF (63 mil) e Tribunal de Contas da União - TCU (29 mil), e outros órgãos com menos seguidores.

Com base no número de curtidas em cada uma das páginas, é possível estimar que a ação conjunta tenha possibilitado um alcance pelo menos 200% maior do que seria alcançado de forma isolada — ou seja, dois milhões de pessoas a mais.



Clique aqui<http://www12.senado.leg.br/noticias/infograficos/2015/08/numeros-do-senado-nas-midias-sociais> para conhecer os números do Senado nas mídias sociais.



________________________________
De: gicom-bounces em listas.interlegis.gov.br <gicom-bounces em listas.interlegis.gov.br> em nome de Jonária França <jonariafranca em gmail.com>
Enviado: quarta-feira, 23 de setembro de 2015 21:22
Para: Grupo Interlegis de Comunicação
Assunto: Re: [gicom] Uso de Redes Sociais


Oi Juliano, vai depender de que mídia voce pretende utilizar e para quais fins. As mídias requerem agilidade no retorno e precisa de alguém pra monitorar. Se voce quer divulgar os trabalhos, o Twitter é uma boa ferramenta.  O Facebook já pernite discussões maiores.  O YouTube é bacana pra fazer pequenos vídeos ...pode criar um canam como se fosse uma Tv, mas é sempre importante a alimentação cobstante. Sempre ter coisa nova, atualizar e tals...

Em 23/09/2015 20:25, "julianobringer em gmail.com<mailto:julianobringer em gmail.com>" <julianobringer em gmail.com<mailto:julianobringer em gmail.com>> escreveu:
Boa noite Pessoal,

Valéria, poderia nos orientar quanto a utilização de redes socias ou alguma experiência de como proceder??

Att.

--
Juliano Rafael Bringer Nunes
Domingos Martins-ES
Tel.: 27 98122-8526<tel:27%2098122-8526> Vivo
julianobringer em gmail.com<mailto:julianobringer em gmail.com>


--
Histórico do grupo:
http://colab.interlegis.leg.br/search/?type=thread&order=latest&list=gicom

Regras de participação:
http://colab.interlegis.leg.br/wiki/ComoParticiparComunidade

Para administrar ou excluir sua conta visite:
https://listas.interlegis.gov.br/mailman/listinfo/gicom
-------------- Próxima Parte ----------
Um anexo em HTML foi limpo...
URL: <http://listas.interlegis.gov.br/pipermail/gicom/attachments/20150924/7bfd4970/attachment.html>


Mais detalhes sobre a lista de discussão GICOM