[gicom] RES: RES: RES: Como estimular a produção de matérias?

Valéria Cristina Castanho de Almeida CASTANHO em senado.leg.br
Quarta Julho 1 07:18:27 BRT 2015


É isso mesmo Fabiano. Compro muito na Estante virtual também. Trouxe algumas sugestões de livros, aqueles que, na minha opinião, todos ( pelo  menos da área de jornalismo) deveriam ter na estante:

- Técnica de Jornal e Periódico, Luiz Amaral, Rio de Janeiro, tempo Brasileiro
- Técnica de Reportagem: notar sobre a narrativa jornalística. Muniz Sodré e Maria  Helena Ferrari, São Paulo, Summus
- Mídia training – melhorando as relações da empresa com os jornalistas – Cultura Editores Associados – São Paulo.
Também vale comprar o manual de redação do Jornal Estado de São Paulo e da Folha de São Paulo, que são ótimos. Alguns até estão disponíveis pelo site. O  media training é bom para você, que não é jornalista, mas precisa de dicas para se relacionar com a imprensa, mesmo que seja por meio das notas que coloca no site. Ele é meio antigo, aliás todos eles, e, portanto, estão um pouco atrasados com relação à internet, mas vale muito a pena lê-los todos.

Olha o que o Wikipédia traz de informações, inclusive com uma boa indicação bibliográfica abaixo. Estou à disposição para qualquer tipo de informação.


Técnica de redação
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.








































Técnica de redação é o nome que se dá à prática<https://pt.wikipedia.org/wiki/Pr%C3%A1tica> de escrever para a imprensa<https://pt.wikipedia.org/wiki/Imprensa> ou veículos jornalísticos<https://pt.wikipedia.org/wiki/Jornalismo>. A redacção jornalística é o estilo de prosa curta, utilizado emmatérias<https://pt.wikipedia.org/wiki/Mat%C3%A9ria_(jornalismo)> jornalísticas e boletins noticiosos publicados em jornais<https://pt.wikipedia.org/wiki/Jornal>, revistas<https://pt.wikipedia.org/wiki/Revista>, rádio<https://pt.wikipedia.org/wiki/Radiojornalismo> e televisão<https://pt.wikipedia.org/wiki/Telejornalismo>.
A técnica diz respeito não apenas à estrutura das frases e ao vocabulário utilizados, mas também à ordem em que as informações são apresentadas, o tom, a discurso<https://pt.wikipedia.org/wiki/An%C3%A1lise_do_Discurso> e os interesses dos leitores. Esta estrutura é chamada de pirâmide invertida<https://pt.wikipedia.org/wiki/Pir%C3%A2mide_invertida>. Entre os maiores e mais respeitados jornais, franqueza e equilíbrio são fatores fundamentais na apresentação verbal da informação. As políticas editoriais determinam o não uso de adjetivos, cacofonias, repetição exaustiva do pronome relativo "que", eufemismos e jargões. Jornais com público leitor internacional, por exemplo, geralmente usam estilo de redação mais formal.
Especificamente, a redação jornalística deve ser inteligível para a maior parte dos leitores em potencial, bem como ser instigante e concisa. Dentro destes limites, matérias também pretendem ser compreensíveis ou satisfazer a curiosidade dos leitores. Os jornalistas devem antecipar as dúvidas dos leitores e respondê-las.
·
Linguagem[editar<https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=T%C3%A9cnica_de_reda%C3%A7%C3%A3o&veaction=edit&vesection=1> | editar código-fonte<https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=T%C3%A9cnica_de_reda%C3%A7%C3%A3o&action=edit&section=1>]
A prosa jornalística deve ser explícita e precisa, além de tentar não se basear em jargões de profissões ou comunidades específicas. Via de regra, jornalistas não usam termos incomuns quando podem usar palavras coloquiais. A construção gramatical utilizada é sujeito-verbo-predicado. Em jornalismo mais popular ou literário<https://pt.wikipedia.org/wiki/Jornalismo_Liter%C3%A1rio>, é comum incluir exemplos, metáforas e anedotas, e menos generalizações e ideias abstratas. Redatores geralmente evitam repetir a mesma palavra em frases seguidas. O mais importante, no entanto, é utilizar termos "neutros", na medida do possível, que não traduzam julgamento de valor. O uso de elogios e pejorativos é visto como falta de objetividade.
Estrutura da notícia e Pirâmide invertida[editar<https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=T%C3%A9cnica_de_reda%C3%A7%C3%A3o&veaction=edit&vesection=2> | editar código-fonte<https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=T%C3%A9cnica_de_reda%C3%A7%C3%A3o&action=edit&section=2>]
Professores de redação costumam descrever a organização ou estrutura da notícia como uma "pirâmide invertida<https://pt.wikipedia.org/wiki/Pir%C3%A2mide_invertida>": o lado mais largo (a base) da pirâmide fica voltado para cima, pois as informações mais importantes devem vir no início do texto. Essencialmente, os jornalistas colocam na abertura da matéria os elementos mais relevantes e interessantes do fato. As demais informações seguem em ordem decrescente de importância.
O elemento estrutural mais importante de uma matéria é o seu lide ou lead (ou, até lede, uma grafia usada em inglês para evitar confusão com leading, um conceito usado em tipografia<https://pt.wikipedia.org/wiki/Tipografia>). O lide é a primeira frase — ou, em casos especiais, as duas primeiras frases. O princípio de antecipar a informação se aplica especialmente ao lide, mas a ilegibilidade de frases longas contrai o tamanho do lide. Por isso, redigir um lide é, tecnicamente, um problema de otimização, no qual o objetivo é articular o dado mais inovador ou relevante em uma única frase, de acordo com o material da apuração. É comum afirmar que a imensa maioria dos leitores lê apenas o lide de cada matéria.
Bibliografia[editar<https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=T%C3%A9cnica_de_reda%C3%A7%C3%A3o&veaction=edit&vesection=3> | editar código-fonte<https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=T%C3%A9cnica_de_reda%C3%A7%C3%A3o&action=edit&section=3>]
·         AMOROSO LIMA, Alceu. O Jornalismo como Gênero Literário. São Paulo: Com-Arte, 1990.
·         DISCINI, Norma. A Comunicação nos Textos. São Paulo: Contexto, 2005.
·         LAGE, Nilson. Características da Linguagem Jornalística. Florianópolis: UFSC, 2001.
·         LAGE, Nilson. Estrutura da Notícia. São Paulo: Ática, 1987.
·         LAGE, Nilson. Linguagem Jornalística. São Paulo: Ática, 1985.
·         LAGE, Nilson. Teoria e Técnica do Texto Jornalístico. São Paulo: Campus Elsevier, 2005.
·         NASCIMENTO, Patrícia Ceolin. Técnicas de Redação em Jornalismo - O Texto da Notícia. São Paulo: Saraiva, 2009.
·         SALVADOR, Arlete, SQUARISI, Dad. A Arte de Escrever Bem. São Paulo: Contexto, 2005.
·         SALVADOR, Arlete, SQUARISI, Dad. Escrever Melhor: guia para passar os textos a limpo. São Paulo: Contexto, 2008.
·         SODRÉ, Muniz. FERRARI, Maria Helena. Técnica de redação: o texto nos meios de informação. Rio de Janeiro: Edições Francisco Alves, 1977.
Ligações externas[editar<https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=T%C3%A9cnica_de_reda%C3%A7%C3%A3o&veaction=edit&vesection=4> | editar código-fonte<https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=T%C3%A9cnica_de_reda%C3%A7%C3%A3o&action=edit&section=4>]


De: gicom-bounces em listas.interlegis.gov.br [mailto:gicom-bounces em listas.interlegis.gov.br] Em nome de Fabiano de Almeida
Enviada em: terça-feira, 30 de junho de 2015 19:49
Para: Grupo Interlegis de Comunicação
Assunto: Re: [gicom] RES: RES: Como estimular a produção de matérias?

Estante Virtual está aí pra isso!

Em 30 de junho de 2015 16:20, Valéria Cristina Castanho de Almeida <CASTANHO em senado.leg.br<mailto:CASTANHO em senado.leg.br>> escreveu:
Fabiano
Tenho material muito bom para sugerir. Já dei aula sobre isso na faculdade. Vou procurar e te envio, ok?
De qualquer forma, coloca aí no maior especialista do mundo – o Google – que vai sair muita informação. Há técnicas para tudo, para matérias novas, para matérias do dia anterior, que não são mais novidades ( chamamos de suíte), e matérias de clima, aquelas que começam contando a história de uma pessoa para depois entrar no assunto. É muito legal trabalhar com a comunicação. Veja, por exemplo, em revistas semanais, como a Veja, a Epoca, entre outras. Não dá para usar essa técnica de lead em pirâmide invertida, pois tratam-se de informações já de conhecimento. Tem que começar de forma diferente. Vou te indicar também uma bibliografia básica. Tenho um livro muito bom, mas velho, na minha prateleira. Você só vai encontrar em sebo, mas vale a pena garimpar.

De: gicom-bounces em listas.interlegis.gov.br<mailto:gicom-bounces em listas.interlegis.gov.br> [mailto:gicom-bounces em listas.interlegis.gov.br<mailto:gicom-bounces em listas.interlegis.gov.br>] Em nome de Fabiano de Almeida
Enviada em: terça-feira, 30 de junho de 2015 16:13
Para: Grupo Interlegis de Comunicação
Assunto: Re: [gicom] RES: Como estimular a produção de matérias?

Boa tarde Valéria,

Vou verificar o link sugerido e como aplicar as demais sugestões a realidade da Casa.

Grato,

Fabiano.

Em 30 de junho de 2015 15:19, Valéria Cristina Castanho de Almeida <CASTANHO em senado.leg.br<mailto:CASTANHO em senado.leg.br>> escreveu:
Fabiano,
Aqui no Interlegis, temos pronta uma campanha de divulgação para quem já tem o PM3. Os exemplos são bem pontuais, mas acredito que possam ser adaptados para incrementar sua página. Tem exemplos de panfleto, cartaz, banner eletrônico, e-mail marketing, áudio e vídeo. Tudo prontinho. Basta a acessar o link http://www.interlegis.leg.br/produtos_servicos/tecnologia/produtos/registro-leg.br/campanha.leg. Ajuda?
Outra sugestão que daria é conversar com todos os setores, fazer uma reunião com todos, talvez até envolvendo o presidente da Câmara ou um outro vereador mais atuante. Tente mostrar a importância da boa comunicação. Crie também uma intranet, com informações somente de interesse do público interno. Isso pode também ser um estímulo para conseguir adesão para informações voltadas para o público interno.



De: gicom-bounces em listas.interlegis.gov.br<mailto:gicom-bounces em listas.interlegis.gov.br> [mailto:gicom-bounces em listas.interlegis.gov.br<mailto:gicom-bounces em listas.interlegis.gov.br>] Em nome de Fabiano de Almeida
Enviada em: terça-feira, 30 de junho de 2015 13:39
Para: Grupo Interlegis de Comunicação
Assunto: [gicom] Como estimular a produção de matérias?

Boa tarde,

Sou técnico em informática da CM Telêmaco Borba, e aqui não temos oficialmente alguém da comunicação, na prática, fica a meu encargo produzir e publicar material para o portal.

Tenho buscado estimular que os assessores e demais técnicos administrativos - que são as pessoas que detém a informação necessária para a produção de artigos - escrevam matérias ou ao menos me passem os tópicos para que eu tenha subsídio para redigir, mas não tenho obtido êxito neste intento.

Que atitudes, campanhas, meios, etc, posso tomar para estimular a produção de matéria para o portal da CM ?

Grato,

--
Fabiano de Almeida
C.M. Telêmaco Borba - PR

--
Histórico do grupo:
http://colab.interlegis.leg.br/search/?type=thread&order=latest&list=gicom

Regras de participação:
http://colab.interlegis.leg.br/wiki/ComoParticiparComunidade

Para administrar ou excluir sua conta visite:
https://listas.interlegis.gov.br/mailman/listinfo/gicom



--
Fabiano de Almeida
C.M. Telêmaco Borba - PR

--
Histórico do grupo:
http://colab.interlegis.leg.br/search/?type=thread&order=latest&list=gicom

Regras de participação:
http://colab.interlegis.leg.br/wiki/ComoParticiparComunidade

Para administrar ou excluir sua conta visite:
https://listas.interlegis.gov.br/mailman/listinfo/gicom



--
Fabiano de Almeida
C.M. Telêmaco Borba - PR
-------------- Próxima Parte ----------
Um anexo em HTML foi limpo...
URL: <http://listas.interlegis.gov.br/pipermail/gicom/attachments/20150701/248c380a/attachment.html>


Mais detalhes sobre a lista de discussão GICOM