[gicom] O EnGitec foi o precursor!

Hélio Teixeira heliolteixeira em gmail.com
Sexta Abril 25 13:39:55 BRT 2014


Pessoal

Respondendo aos seguintes questionamentos feitos pelo amigo João Lima (o
pai do LEXML):   Vale a pena comprar o livro do Prof. Mayer? (ou o seu
livro já vai tratar do assunto de forma completa)  Qual o título do seu
livro? Ele será publicado em língua portuguesa?

Segue a resposta:

O título do meu livro é “O Algoritmo Social. Por uma nova infraestrutura
para a Ação Coletiva.
Inteligências coletivas, estruturas de pertencimento, narrativas míticas e
sistemas complexos”.

A ideia inicial era lançar somente aqui nos EUA, mas no início deste ano
mudamos de opinião e já estamos trabalhando na tradução para o português.
Assim, faremos o lançamento simultâneo nos EUA e no Brasil.

Essa mudança nos obrigou a refazer o nosso cronograma de lançamento, que
até o momento aponta o final de junho como a data prevista para o
lançamento.

Quanto a sua pergunta “vale a pena comprar o livro do professor Mayer?” ao
invés de responder com um simples “sim ou não”, eu prefiro expor algumas
das diferenças básicas entre a abordagem dele e a nossa.

Em primeiro lugar o livro do professor Mayer não tem a preocupação de
operacionalizar os conceitos. Ele apenas descreve um fenômeno. Ele faz o
que eu chamo de “olhar para trás tentando explicar o presente”. O nosso
livro vai além. Nós “olhamos para o passado, oferecemos argumentos que dão
sentido ao presente mas queremos, principalmente, olhar para o futuro”.

Quanto mais eu conheço o mundo acadêmico mais eu tenho a certeza que um dos
grandes males que assola esse mundo é o da covardia intelectual.

As pessoas tentam com todas as forças explicar os fenômenos e via de regra
se dão por satisfeitas com isso. Quase nunca olham para o futuro. Usam a
narrativa mítica da “imprevisibilidade do futuro” como disfarce para a
covardia intelectual. Ficam discutindo o sexo dos anjos sem arriscar a sua
tão valiosa “reputação” com medo do erro. Em outras palavras, a grande
maioria dos acadêmicos abdica da sua condição humana. Afinal, o erro é uma
condição intrínseca ao ser humano.

O título e o subtítulo do nosso livro dão uma noção do quão abrangente é a
nossa abordagem. Além de fazer um apanhado histórico sobre as diversas
teorias que tentam explicar a ação coletiva dos grupos humanos e fazer um
apanhado sobre o estado da arte do campo, nós dedicamos uma grande parte do
nosso argumento discutindo algumas questões de suma importância para o
futuro da nossa democracia.

A própria noção da existência de um Algoritmo Social, que é o argumento
central do livro, tem implicações em diversas áreas do conhecimento humano.

Tendo como pano de fundo essa discussão central, discutimos também outras
questões em paralelo. Questões que possuem uma importância vital para a
nossa sociedade:

- Como transpor o paradigma do empoderamento individual para um novo
paradigma que concilie o empoderamento das comunidades com a preservação
das liberdades individuais e os direitos democráticos básicos -
privacidade, liberdade de expressão, acesso ao conhecimento e liberdade
criativa?

- Como atuar na “fábrica de narrativas” dos grupos para recriar as nossas
instituições políticas?

- Como recriar o “repertório de ações coletivas institucionais” para
ressignificar aquilo que costumamos chamar de “instituições democráticas”?

- Como elevar a qualidade dos processos de colaboração e co-criação aos
patamares necessários para enfrentar e/ou dar cabo da complexidade
intrínseca aos maiores desafios do mundo atual, como a corrupção, o
descrédito nas instituições e agentes políticos, a fome, o aquecimento
global e tantas outras?

- Como aumentar a “quantidade de pertencimento” para fomentar a sensação de
segurança psicológica em comunidades e grupos humanos? (Condição
imprescindível para aumentar a coesão dos grupos e a integração social dos
seus membros e por conseguinte o surgimento de ligações interpessoais
emocionalmente mais fortes e duradouras e uma maior satisfação pessoal, que
por sua vez garante não só a própria viabilidade do grupo como também eleva
a sua capacidade criativa dos  e aumenta a tolerância aos erros...)

Enfim, são muitas as questões abordadas e, obviamente, não será possível
esmiuçar cada uma delas nesse e-mail.

De qualquer forma, acredito que o nosso trabalho tem uma abrangência muito
maior se comparado ao trabalho do professor Mayer. O que não desmerece em
nada o trabalho dele. Enfim, não é uma questão de “melhor ou pior” mas sim
de “ambições distintas”.

Grande abraço!

-- 
Hélio Teixeira
IHT/Brasil

A simplicidade é o último estágio da sofisticação.
*********************************************************

Em 25 de abril de 2014 12:47, Hélio Teixeira <heliolteixeira em gmail.com>escreveu:

> Pessoal
>
> Quem assistiu a minha palestra no VI EnGitec e ler a sinopse deste livro (
> http://www.amazon.com/Narrative-Politics-Stories-Collective-Action/dp/0199324468)
> que vai ser lançado, no próximo dia 8 de maio, pelo professor Frederick W.
> Mayer da Oxford University, vai identificar (com todas as letras!) a tese
> por mim sustentada em minha palestra (que, por sinal, foi devidamente
> gravada em vídeo para quem quiser ver... rsrs).
>
> Só para lembrar, o VI EnGitec aconteceu em setembro do ano passado, ou
> seja, sete meses atrás.
>
> A minha tese sobre o papel que as narrativas - e as história que elas
> contam - desempenham no impulsionamento e legitimação da ação coletiva dos
> grupos humanos (sobretudo nas mobilizações políticas) é o argumento central
> do livro do professor Mayer que, repito, ainda vai ser publicado.
>
> Outra tese defendida por nós na palestra do VI EnGitec - a definição dos
> grupos humanos como verdadeiras "fábricas de narrativas"  -  também foi
> incorporada pelo professor Mayer em seu livro.
>
> Como se percebe, a nossa tese foi muito bem aceita no mundo acadêmico.
>
> E o mais legal é que foi justamente no VI EnGitec que essa tese foi
> discutida pela primeira vez em público.
>
> Claro que logo após o nosso encontro, eu publiquei alguns artigos em
> outras comunidades que eu participo mundo afora, com o objetivo de divulgar
> o meu livro que deve ser publicado no final de junho, se tudo ocorrer
> dentro do previsto pela editora.
>
> No entanto, como falei na palestra, o framework analítico desenvolvido por
> nós é muito mais amplo e será devidamente exposto com a publicação do nosso
> livro.
>
> Esse reconhecimento é extensivo a todos os membros do Gitec e
> organizadores do nosso EnGitec. Afinal, o nosso evento foi pioneiro nessa
> história.
>
> Grande abraço!
>
> --
> Hélio Teixeira
> IHT/Brasil
>
> A simplicidade é o último estágio da sofisticação.
> *********************************************************
>



-- 
Hélio Teixeira
IHT/Brasil

A simplicidade é o último estágio da sofisticação.
*********************************************************
-------------- Próxima Parte ----------
Um anexo em HTML foi limpo...
URL: <http://listas.interlegis.gov.br/pipermail/gicom/attachments/20140425/8e75860c/attachment.html>


Mais detalhes sobre a lista de discussão GICOM