[gicom] Participação - redes sociais

Prof. Dr. Marcelo Arno Nerling mnerling em usp.br
Sexta Fevereiro 19 11:37:34 BRST 2010


Nada como as férias da gente não é mesmo?
O Hélio, com seu 'overview, nos ajudou a olhar, Maurício e Telma, para  
o tema da participação da comunicação legislativa nas redes sociais.
Telma destaca que o momento é de 'adaptação de metodologias de  
avaliação às redes sociais, tarefa difícil porque o campo é novo'.
O Maurício pede bis, voltando a discussão para o tema do 'ecossistema  
de mapeamento e comunicação'. Hélio, do alto de seu 'overview': -  
'Afinal de contas, todos querem saber como medir o impacto das nossas  
ações nos ambientes de interações sociais na web?'. Sim é a resposta.
A hipótese é a de que o 'Gerenciamento e Medição de Impactos de  
Presença Digital' não são uma cultura de massa, com o que, quem tem  
esse skill, 'é claro, poder vendê-la a peso de ouro (e  
merecidamente!!!),  para o mundo corporativo' disse o Hélio.
A questão, relacionada à nossa Lista GICOM, é: Como proceder,  
definindo o 'ecossistema de mapeamento e comunicação' da web do  
parlamento ou casa legislativa brasileira?
Precisamos, enquanto objetivos, definir a forma de relacionamento com  
os clientes nesse 'mundo de conexões'. Qual interface tecnológica? Com  
que caractterísticas?
Facebook, Windows Live, My Space, Baidu, Twitter, Orkut, Hi5, QQ,  
Linkedln, deviantART (comScore, 2009). A FAcebbook tem mais de 430  
milhões de usuários. Enquanto o Facebook é mais parecido com uma  
'conversa íntima e continuadda entre amigos', o Twitter as pessoas  
podem se inscrever e seguir qualquer tweet público, se apresentando  
como um sistema que permite aos usuários transmitierm pequenos flashes  
de informação a uma porção de estranhos, assim como aos amigos.
O que queremos, afinal, para a comunicação do legislativo nesse lumiar  
dar redes sociais no Brasil e no Mundo?
O 'mundo legislativo brasileiro', a comunicação legislativa, o que  
quer com essa ferramenta tecnológica? como nos relacinamos com os  
nossos clientes/cidadãos? qual é o 'brand gap' deles e o que desejamos  
criar na cabeça deles? Quais são as nossas interfaces de contato  
digital da organização? O que eles procuram quando acessam o Site do  
Legislativo? Como são entregues as informações?
Isso tudo minimamente respondido nos dará uma métrica mínima, segundo  
o Hélio, para avaliar a 'Inteligencia Coletiva Ativa' ou Passiva, que  
nos permitiria, inclusive 'lucrar com a amizade' (Carta Capital, n.  
583, 2010), colhendo dados das 'intenções dos usuários' com os  
ferramentas digitais disponibilizadas.
Depois: Não devemos esquecer do 'Plano de Ação', foco na 'Missão' e  
muita 'mão na massa', para aumentar a experiencia e o conhecimento dos  
profissionais envolvidos na análise desses dados para a comunicação  
social do E-legislativo.
Saudações Gicom.
Att.

-- 
Prof. Dr. Marcelo Arno Nerling
Curso de Gestão de Políticas Públicas
Escola de Artes, Ciências e Humanidades
Universidade de São Paulo - USP


Citando Telma América Venturelli <telmaventurelli em interlegis.gov.br>:

> Olá, bom dia a todos,
> Esta discussão que estamos travando é muito interessante. Pensei um pouco
> sobre as suas colocações Helio e penso que ainda é muito cedo para falar em
> "obscurantismo" principalmente de caráter intencional. Com um pouco da
> experiência que tenho em avaliação de impacto, acredito que estamos no
> momento de adaptação de metodologias de avaliação às redes sociais, tarefa
> difícil porque o campo é novo. Fiquei impressionada com as estratégias que
> você sugeriu porque demonstram um alto grau de síntese de diversas e plurais
> metodologias,contudo, recomento prudência na disseminação porque elas como
> todas as outras referentes não somente às redes sociais como aos ambientes
> virtuais em geral são novas, carecem de teste. Existem meios muito simples e
> interessantes de aferição de audiência e impacto que nosso amigo de Pedreira
> pode testar para aprender a lidar com metodologias de avaliação. Sugiro
> replicar na rede algum fato relevante da pauta do dia ou alguma ação externa
> da câmara e acompanhar a repercussão. Esta repercussão pode ser medida em
> comparecimentos ou contribuições virtuais. A questão é que a preocupação com
> o impacto está realmente associado ao objetivo da ação como o Hélio bem
> destacou. Neste momento de exploração e disseminação destas ferramentas, eu
> estabeleceria como objetivo a propria disseminação, ou seja, quantos
> seguidores seriam cooptados, depois teria um segundo objetivo, a
> qualificação dos seguidores, mas isto é uma outra história.
> Baum, espero não estar atrapalhando
> beijos a todos
> Em 19 de fevereiro de 2010 09:54, Imprensa - Câmara Pedreira <
> imprensa em camarapedreira.sp.gov.br> escreveu:
>
>> Bom dia Hélio,
>>
>> Obrigado por sua brilhante intervenção como sempre. Creio que entendi bem a
>> idéia da "Tríade de Ouro" que você nos apresentou, mas gostaria, se
>> possível, que você se ativesse com mais detalhes nessa primeira etapa:
>> "Mapeamento do Ecossistema". Tenho grande dificuldade para fazer esse
>> mapeamento aqui na Câmara porque ainda não temos um Sistema eficiente para
>> essa coleta de informações. Você sugere alguma ferramenta para esse tipo de
>> "pesquisas"? Sei que essa é a fase mais importante, mas precsamos ter meios
>> de buscar essas informações, o que dificulta muito nossa ação de
>> "Diagnóstico" do problema.
>> Também agradeço a intervenção do Dr. Marcelo. Ainda não tive oportunidade
>> de
>> ler o artigo que sugeriu, mas assim que o fizer retornarei minha avalição
>> sobre a leitura. Mais uma vez obrigado a todos.
>>
>> Atenciosamente
>> Maurício Batarce
>> Assessor de Comunicação
>> (19) 3893-3172 (com.)
>> (19) 8179-0699
>> imprensa em camarapedreira.sp.gov.br
>>  ----- Original Message -----
>> From: "Hélio Teixeira" <heliolteixeira em gmail.com>
>> To: "Grupo Interlegis de Comunicação" <gicom em listas.interlegis.gov.br>
>> Sent: Thursday, February 18, 2010 7:19 PM
>> Subject: Re: [gicom] Participação - redes sociais
>>
>>
>> Oi Maurício
>>
>> Muito interessante o seu questionamento e gostaria de fazer alguns
>> comentários a respeito.
>>
>> A sua pergunta é muito recorrente em nosso meio. Não há uma única
>> reunião de briefing onde esse tema não seja abordado. Afinal de
>> contas, todos querem saber como medir o impacto das nossas ações nos
>> ambientes de interações sociais na web? Sem dúvida, esse é um
>> questionamento generalizado, diga-se de passagem uma questão ainda
>> obscura tanto para muitos outros profissionais sérios e bem
>> intencionados como você como também para os não tão sério, os chamados
>> "pseudoespecilistas", figuras muito comuns no mundo da comunicação,
>> que não sabem muita coisa sobre o assunto, mas insistem em falar
>> bobagens...
>>
>> A origem de tanto "obscurantismo" sobre o tema pode ser resumido em
>> dois pontos principais: (1)a escassez de estudos sérios sobre o
>> assunto e o pior de todos, (2) a falta de interesse dos detentores
>> deste conhecimento em compartilhar as tais metodologias. Via de regra,
>> o assunto é tratado como segredo industrial por quase todas as
>> agências de publicidade e empresas de monitoramento de diálogos
>> digitais.
>>
>> Dessa forma, e infelizmente, não há como negar que a grande maioria
>> das empresas e dos profissionais sérios e realmente competentes na
>> área, não abrem para ninguém (a não ser para os seus ricos clientes) a
>> tal da metodologia de "Gerenciamento e Medição de Impactos de Presença
>> Digital". Para, é claro, poder vendê-la a peso de ouro (e
>> merecidamente!!!),  para o mundo corporativo.
>>
>> Como acredito que conhecimento é algo que só presta se for
>> disseminado. Aqui vai, em primeira mão, um overview da metodologia que
>> desenvolvi. E que graças à Deus já está sendo utilizada (com muito
>> sucesso!) por várias empresas nossas clientes (algumas com atuação
>> multinacional):
>>
>> Vamos lá:
>>
>> Em primeiro lugar, sempre que me deparo com esse questionamento nas
>> reuniões de briefing, palestras e workshop que ministro mundo afora,
>> começo a minha resposta falando do que eu chamo de "Tríade de Ouro dos
>> Relacionamentos Digitais". Quem vem a ser (1)Mapeamento do ecossistema
>> de relacionamentos e comunicação, (2)Planejamento e definições de
>> objetivos (táticos e estratégicos) de relacionamento, entrega de
>> serviços e gestão da experiência (e alguns outros tópicos que por
>> falta de espaço e tempo não dá pra falar em todos aqui...) e, claro, o
>> mais importante quando falamos em medição de impacto, as (3)Métricas.
>>
>> Vamos falar um pouco de cada um:
>>
>> (1) Mapeamento do ecossistema de relacionamentos e comunicação - Essa
>> é a parte que eu considero a mais importante em todo o processo de
>> gerenciamento e entregas de serviços e experiências (via presença
>> digital) de qualquer organização, quer seja ela pública ou privada.
>>
>> É aqui que está a base de todo das principais decisões (táticas e
>> estratégicas) que nortearão todo o resto do projeto.
>>
>> Aqui você vai se inteirar da situação. Vai saber como anda o teu
>> relacionamento com os teus clientes. Vai saber também o que chamamos
>> de "brand gap", que é a diferença que existe entre a imagem da tua
>> organização que é percebida pelos teus clientes e aquela que você
>> desejaria que existisse na cabeça deles. Vai saber ainda como anda a
>> tua presença digital: como as pessoas se relacionam com as interfaces
>> de contato digitais da sua organização, o que elas procuram quando
>> acessam o teu sítio, como elas avaliam a tua comunicação, como a
>> informação está sendo entregue, etc... (são muitos os tópicos que
>> avaliamos nessa fase, e repito, não seria possível listar todos aqui)
>>
>> Outro recurso muito útil nessa fase é o que chamamos vulgarmente de
>> "learning machine" (leia mais aqui:
>> http://en.wikipedia.org/wiki/Machine_learning) que vai te ajudar na
>> captação da chamada Inteligência Coletiva Ativa a partir da coleta de
>> dados das interações dos usuários com as tuas ferramentas digitias.
>>
>> Você pode ainda utilizar-se do que eu chamo de "Inteligência Coletiva
>> Passiva". Um conceito ainda experimental e muito promissor, que estou
>> desenvolvendo junto com um grupo de estudiosos norte-americanos, e que
>> já tem trazido ótimos resultados em todos os ambientes onde ela já foi
>> utilizada. Se você desejar, podemos conversar depois, para detalharmos
>> mais esse tema.
>>
>> (2) Planejamento e definições de objetivos - Após a "conclusão" do
>> mapeamento. É preciso analisar com cuidado todos os dados e traçar
>> cuidadosamente um plano de ação que além de obviamente corrigir os
>> problemas encontrados possa também tratar daquilo que realmente seja
>> POSSÍVEL ser feito para cumprir a missão da Organização em questão.
>>
>> Nessa fase um dos fatores mais críticos é a experiência e o
>> conhecimento dos profissionais envolvidos na análise dos dados obtidos
>> na fase anterior, pois é justamente aqui que a maioria dos projetos
>> naufragam...
>>
>> (3) Métricas - Quando falamos em medição de impactos é muito
>> importante termos em mente duas coisas: (1)Cada projeto tem a sua
>> métrica ideal. (2)Cada ação precisa ter um objetivo específico e que
>> possa ser mensurado com precisão.
>>
>> Aqui, considero se suma importância a utilização de ferramentas
>> específicas. Escrevi um artigo no Chapa Branca que fala exatamente
>> sobre isso, leia aqui:http://comunicacaochapabranca.com.br/?p=8164
>>
>> Como disse no início, esse é apenas um "overview". Portanto, nas
>> próximas intervenções vou me aprofundar um pouco mais em cada um dos
>> pontos citados acima.
>>
>>
>> Grande abraço
>>
>> --
>> Hélio Teixeira
>> http://ComunicacaoChapaBranca.com.br<http://comunicacaochapabranca.com.br/>
>> Twitter: http://twitter.com/helioteixeira ou
>> http://twitter.com/chapabranca
>>
>> Em 18 de fevereiro de 2010 19:17, Hélio Teixeira
>> <heliolteixeira em gmail.com> escreveu:
>> > Olá Professor
>> >
>> > Muito boa a sua intervenção. Já li a matéria citada por você e reforço
>> > as suas palavras. A matéria é muito boa mesmo e merece ser lida.
>> >
>> > Grande abraço
>> >
>> > Hélio Teixeira
>> >
>> >
>> >
>> > Em 18 de fevereiro de 2010 18:50, Prof. Dr. Marcelo Arno Nerling
>> > <mnerling em usp.br> escreveu:
>> >> Prezado Maurício Batarce,
>> >> a revista Carta Capital de 17/02 publicou uma reportagem especial
>> >> sobre redes sociais. O título do encarte, cujo conteúdo fora produzido
>> >> pelo The Economist e licenciado para a Carta, fala de 'um mundo de
>> >> conexões'. Vale a pena ler para incrementar o debate.
>> >> Att.
>> >> --
>> >> Prof. Dr. Marcelo Arno Nerling
>> >> Curso de Gestão de Políticas Públicas
>> >> Escola de Artes, Ciências e Humanidades
>> >> Universidade de São Paulo - USP
>> >>
>> >>
>> >> Citando Imprensa - Câmara Pedreira <imprensa em camarapedreira.sp.gov.br>:
>> >>
>> >>> Boa tarde caros amigos do Grupo Interlegis de Comunicação,
>> >>>
>> >>> Como minha primeira participação na lista, gostaria de colocar em
>> >>> pauta uma discussão importante para nossa área ao meu ver: Redes
>> >>> Sociais de Relacionamento. Tenho feito o possível para tentar
>> >>> inserir as atuações da Câmara de Pedreira em diversas redes sociais
>> >>> de relacionamento como Twitter, Orkut e alguma coisa no Facebook,
>> >>> mas minha grande dificuldade é a de monitorar o impacto dessa
>> >>> divulgação e de quantificar o retorno desse trabalho de alguma
>> >>> forma. Ainda não colocamos o Portal Modelo aqui porque teríamos que
>> >>> mudar de servidor o que complicaria muito nosso trabalho na
>> >>> internet, já que existe toda uma estrutura antiga estabelecida.
>> >>> Vocês poderíam me ajudar com essas questões? Como posso medir o
>> >>> impacto das ações nas mídias sociais e como utilizar essaa
>> >>> ferramentas da melhor forma possível? Aguardo sugestões.
>> >>>
>> >>> Atenciosamente
>> >>> Maurício Batarce
>> >>> Assessor de Comunicação
>> >>> (19) 3893-3172 (com.)
>> >>> (19) 8179-0699
>> >>> imprensa em camarapedreira.sp.gov.br
>> >>>
>> >>
>> >>
>> >>
>> >> --
>> >> Site da Comunidade GICOM
>> >> http://colab.interlegis.gov.br
>> >>
>> >> Para pesquisar o histórico da lista visite:
>> >> http://colab.interlegis.gov.br/wiki/PesquisaListas
>> >>
>> >> Para administrar sua conta visite:
>> >> http://listas.interlegis.gov.br/mailman/listinfo/gicom
>> >>
>> >
>> >
>> >
>> > --
>> > Hélio Teixeira
>> >   
>> http://ComunicacaoChapaBranca.com.br<http://comunicacaochapabranca.com.br/>
>> > Twitter: http://twitter.com/helioteixeira ou
>> > http://twitter.com/chapabranca
>> >
>>
>>
>>
>> --
>> Hélio Teixeira
>> http://ComunicacaoChapaBranca.com.br<http://comunicacaochapabranca.com.br/>
>> Twitter: http://twitter.com/helioteixeira ou
>> http://twitter.com/chapabranca
>> --
>> Site da Comunidade GICOM
>> http://colab.interlegis.gov.br
>>
>> Para pesquisar o histórico da lista visite:
>> http://colab.interlegis.gov.br/wiki/PesquisaListas
>>
>> Para administrar sua conta visite:
>> http://listas.interlegis.gov.br/mailman/listinfo/gicom
>>
>>
>>
>> --------------------------------------------------------------------------------
>>
>>
>>
>> Nenhum vírus encontrado nessa mensagem recebida.
>> Verificado por AVG - www.avgbrasil.com.br
>> Versão: 9.0.733 / Banco de dados de vírus: 271.1.1/2695 - Data de
>> Lançamento: 02/18/10 04:34:00
>>
>> --
>>  Site da Comunidade GICOM
>> http://colab.interlegis.gov.br
>>
>> Para pesquisar o histórico da lista visite:
>> http://colab.interlegis.gov.br/wiki/PesquisaListas
>>
>> Para administrar sua conta visite:
>> http://listas.interlegis.gov.br/mailman/listinfo/gicom
>>
>
>
>
> --
> Telma A Venturelli
> Coordenadora de Pesquisa - Interlegis
>





Mais detalhes sobre a lista de discussão GICOM